08 fevereiro 2016

Maneiras simples de reduzir a gordura abdominal

É fato que muitos procuram acabar com a barriga, principalmente em algumas épocas, como o carnaval porque nessa época tem vários motivos para deixa a barriga a mostra como: o samba, praias, piscinas, bronzear e muito, mas muito calor.
Muitas pessoas não sabem mais ter a barriga sequinha requer emagrecer, você pode recorrer a dietas para perder peso rápido.
Você pode ter a barriga mais sequinha tomando cuidados como:
Evitar alimentos flatulentos, aqueles que formam gases no estomago e incham a barriga. Inchaço também pode ser alto consumo de sódio e outra causa pode ser o intestino preguiçoso deixando sua barriga maior.
Para resultado a longo prazo é necessário acompanhamento profissional e mudanças de hábitos para não voltar a engordar. Isso se resume em reeducação alimentar e atividade física.
Veja essas dicas para acabar de maneira simples a gordura na barriga:
Reduzir a ingestão de calorias
Não há solução fácil para eliminar gordura abdominal, no entanto, uma dieta de calorias inferior geralmente resultará na perda de peso e da gordura abdominal.
A redução no consumo de energia de 400 a 700 calorias por dia pode resultar em uma redução de 15% na gordura abdominal durante um período de três a seis meses.
Dietas que restringem o consumo de energia são ainda mais eficazes, no entanto, são difíceis de manter por um longo tempo.
 Dieta baixa GI

Uma dieta baixa GI pode resultar em aumento da perda de peso abdominal. Isto pode ser devido a um melhor controle de açúcar no sangue e saciedade experimente comer alimentos de baixo IG, isso levará à diminuição da ingestão de energia, portanto, irá resultar em perda de peso.

Aumente a sua fibra solúvel
Aumento da ingestão de fibras solúveis pode ser eficaz na redução da gordura abdominal. A cada ingestão de 10g de fibra solúvel por dia, a gordura abdominal diminui em 3,7% ao longo de um período de cinco anos.
A fibra solúvel é encontrada em alimentos como legumes, frutas e grãos e também é pensado para ser benéfico para reduzir os níveis de colesterol ruim no sangue. Fibra solúvel é obtida através de alimentos específicos, como duas pequenas maçãs com casca ou uma xícara de ervilhas verdes.

Exercício

Não há dúvida de que a atividade física é benéfica para a perda de gordura abdominal, embora ela trás resultados dependendo da quantidade, frequência e intensidade do exercício.
A combinação ideal para perder gordura abdominal e para perder peso em geral é combinação de dieta e exercício.

Durma mais
É necessário ter uma boa noite de sono todos os dias, dormir por no mínimo 6-8 horas por dia, isso ajuda na perda peso.
Em geral, as pessoas que dormem menos de cinco horas por noite parecem ter IMCs mais alto e maior de gordura abdominal do que aqueles que dormem por períodos mais longos.
Isto pode ser devido a uma série de fatores, como maus hábitos alimentares, estresse e cansaço. Ficar acordado mais horas faz com que você coma mais.

Reduzir seus níveis de estresse
As pessoas que têm um monte de estresse em suas vidas são mais propensas ao estresse e tendem a ter maior obesidade abdominal do que aqueles que são mais relaxados.
Estresse libera o hormônio cortisol, que estimula o acúmulo de gordura em torno do abdômen, por isso você precisa de algum tempo para relaxar e descontrair isso vai ajudar eliminar o excesso de gordura da barriga.
Veja agora o vídeo com a dieta para perder barriga, sugestão de cardápio com nutricionista:

17 julho 2015

Apresentação da Nova Parceria: BSB Plus Size

Olá meus amores, hoje vim apresentar a vocês uma novidade que até então eu desconhecia! Vocês sabiam que existem maquiagens inspiradas no mundo Plus Size? Existe sim! E tive a honra de conhecer 4 dos 12 batons da linha BSB Plus Size que a presidente e idealizadora miss Plus Size de Brasília Janaína Graciele enviou para que eu pudesse conhecer. Ela lançou uma linha de batons cada um mais lindo que o outro e cada um é assinada por uma diva plus size!
A linha é composta por 12 batons, e hoje vim apresentar a vocês os 4 batons recebidos mais um lindo calendário ilustrado! Vamos conferir?
Apresentação da Nova Parceria BSB Plus Size - Blog Viver e Aprender
Batons, Calendário ilustrado, Cartões com os contatos e a caixinha do batom. (Foto tiradas a luz natural)
Agora vejam que cores lindas que eu recebi:
Apresentação da Nova Parceria BSB Plus Size - Blog Viver e Aprender - Batons
Batons nas cores: Jana, Thaís, Camila e Andréia. (Foto tiradas a luz natural)
Olha só a embalagem dos batons como são lindas, eu simplesmente amei!
Apresentação da Nova Parceria BSB Plus Size - Blog Viver e Aprender - Batons
(Foto tirada a luz natural)

Gostaram de conhecer os recebidos? Em breve terá resenha de cada um dos batons aqui no blog, inclusive vou mostrar o calendário página por página!

Vamos conhecer um pouco sobre o projeto?

O projeto BSB Plus Size visa acabar com o preconceito não só contra a gordofobia, mas também contra vários outros tipos de preconceitos, elas participam de várias campanhas que também apoio, como:

Campanha: Diga não a obesidade. Perca peso, não a vida, Movimento Psiu!
Campanha: Mulheres de Peso na luta contra o Câncer de Mama,
Campanha: Diga não ao preconceito. Adote um Vira Lata.


Apresentação da Nova Parceria BSB Plus Size - Blog Viver e Aprender - Janaína Graciele
(Foto tirada a luz natural)

Para adquirir ou obter mais informações sobre os batons, basta entrar em contato com a Janaína Graciele pelo facebook pessoal, pela fanpage BSB Plus Size ou pelo whatsapp: (61) 9227-5155.


E para finalizar vim deixar uma mensagem linda que veio na caixinha para vocês:
Apresentação da Nova Parceria BSB Plus Size - Blog Viver e Aprender - Mensagem

Espero que tenham gostado, até logo amores!

10 julho 2015

Reflexão: A Fábula do Vendedor de Cachorro-Quente e a Crise

Reflexão: Fábula do Vendedor de Cachorro-Quente e a Crise - Blog Viver e Aprender
Um homem vivia à beira de uma estrada e vendia cachorro quente. Ele não tinha rádio, não tinha televisão e nem lia jornais, mas produzia e vendia o melhor cachorro quente da região. Ele se preocupava com a divulgação do seu negócio e colocava cartazes pela estrada, oferecia o seu produto em voz alta e o povo comprava e gostava.
As vendas foram aumentando e cada vez mais ele comprava o melhor pão e a melhor salsicha. Foi necessário também adquirir um fogão maior para atender a grande quantidade de fregueses. E o negócio prosperava a olhos vistos. Seu cachorro quente era o melhor!
Vencedor, ele conseguiu pagar uma boa escola ao filho. O menino cresceu, e foi estudar Economia numa das melhores Faculdades do país.
Anos depois, finalmente, o filho já formado, voltou para casa, notou que o pai continuava com a vida de sempre, vendendo, agradando e prosperando e teve uma séria conversa com o pai:
– Pai, então você não ouve rádio? Você não vê televisão? Não acessa a Internet e não lê os jornais? Há uma grande crise no mundo. A situação do nosso País é crítica. Está tudo ruim. O Brasil vai quebrar.
Depois de ouvir as considerações do filho Doutor, o pai pensou: - Bem, se meu filho que estudou Economia na melhor Faculdade, lê jornais, vê televisão e internet, participa de redes sociais, e acha isto, então só pode estar com a razão, a coisa deve estar feia mesmo!
Com medo da crise, o pai procurou um Fornecedor de pão mais barato (e é claro da pior qualidade).
Começou a comprar salsichas mais barata (que era, também, a pior). Para economizar, parou de fazer cartazes de propaganda na estrada.

Abatido pela noticia da crise já não oferecia o seu produto em voz alta. Tomadas essas providências, as vendas começaram a cair e foram caindo, caindo e chegaram a níveis insuportáveis e o negócio de cachorro quente do velho, que antes gerava recursos até para fazer o filho estudar Economia na melhor Faculdade quebrou.

O pai, triste, então falou para o filho: – Você estava certo, meu filho, nós estamos no meio de uma grande crise. e comentou com os amigos,orgulhoso:

– Bendita a hora em que eu fiz meu filho estudar economia, ele me avisou da crise!


Este texto nos revela uma grande lição: Vivemos em um mundo contaminado de más noticias e se não tomarmos o devido cuidado, essas más noticias nos influenciarão a ponto de roubar a prosperidade de nossas vidas, portanto, cuide-se, liberte-se e lute pelos seus objetivos de forma consistente e permanente.

Fonte: André Mansur

18 junho 2015

Papo Cabeça: A gente reclama de tudo!


Blog Viver e Aprender - A gente reclama de tudo!
A gente reclama de tudo.

Reclama que acorda cedo, que dorme tarde... estamos sempre apressados, incomodados com algo que, as vezes até nem sabemos o que é.

A gente reclama de tudo. Trânsito, esperas, filas. Reclama do almoço, do jantar, do cafezinho fraco da padaria.
A gente reclama. A gente só sabe reclamar.

Fiz essa reflexão ontem ao ver um menino de aproximadamente 10 anos, morador de rua, pedir a um senhor que estava na parada do ônibus um lanche pra saciar a fome. Observei a cena. A humilhação do "pedir", a bondade do homem que se comoveu com a situação do garoto sujo, imundo, que é a escória da sociedade. Ele se comoveu. A situação me comoveu.

Acompanhei com o olhar atento o momento em que esse homem pagou um lanche pro garoto, que devorou em segundos o cachorro quente "frio" da tia. Esse senhor conversou com o menino, poucas palavras, ele estava com a boca cheia pra responder... ele não tinha tempo a perder. Ele estava faminto.
Talvez fosse um "trombadinha", cheira-cola. Um menor infrator, usuário de pó. Tanta coisa passou pela cabeça. 
Não era pra aquele menino estar ali. Não era.

Lugar de criança é na escola, com o caderno e o lápis nas mãos. E eu me indaguei sobre tanta coisa naquele momento... E os pais do garoto, onde estariam? Eu que sou mãe, pensei em Luísa no exato momento, que estava alimentada, bem vestida e estudando numa boa escola, mas... e aquele menino? Por que ele também não estava na escola? E quem se importa? 

A miséria é vista como algo normal, natural.
Faz parte do cartão postal de Recife as centenas de mendigos que residem em pontos movimentados da cidade, como a Av. Conde da Boa Vista, a Av. Guararapes e a Praça do Diário, por exemplo. É algo trivial de se ver, mas, não... Não é normal.
Praça do diário de Pernambuco - Blog Viver e Aprender - A gente reclama de tudo!

Não posso achar normal pessoas viverem e morrerem em condições desumanas. Não posso e nem consigo ser fria a esse ponto.
Enquanto a minha mente viajava nessa questão social, o menino que, antes devorava o lanche com rapidez, partia caminhando devagar. Ele ainda soltou um: "Valeu, tio!", antes de sair.

Ele soube agradecer. Eu me senti grata em saber que ele estava grato. 
Aquela cena modificou o meu dia. Aquele menino mexeu comigo.
Eu agradeci aos céus por tudo que eu tinha, não apenas por me sensibilizar, mas por saber que eu não tenho tantos motivos assim pra reclamar da vida. 
E você, reclama de que? (...)

Por: Lívia Couto
Estudante de Ciências Sociais - UFPE
* Texto publicado com autorização da autora.

22 maio 2015

Resenha: Redutor de Cutículas DNA Italy

Olá amores, estamos de volta e com mais uma resenha de um produtinho para as unhas, que é esse Redutor de Cutículas DNA Italy. Que por sinal enganou minha mãe e uma amiga, pois ele realmente parece um esmalte!

Resenha: Redutor de Cutículas DNA Italy - Blog Viver e Aprender - Unhas - Beleza

O que diz a marca:
Tratamento especialmente desenvolvido para o cuidado das cutículas. Auxilia na remoção do excesso de pele em volta das unhas, define o contorno e seu uso habitual reduz as cutículas. Produto livre de parabenos e parafinas.

Modo de usar, conforme a marca:
Recomendamos duas ou mais aplicações diárias, em todo o contorno das unhas. Pode ser usado com ou sem esmaltes.

Minha opinião:
Uma das coisas que não tenho paciência é perder tempo na manicure, porque sempre demora. Mas depois que conheci esse Redutor de Cutículas uso ‘praticamente’ todos os dias, já indiquei para minha mãe e algumas amigas. Depois de um mês usando notei minhas unhas mais hidratadas, bonitas e as cutículas realmente mudaram!

Resenha: Redutor de Cutículas DNA Italy - Blog Viver e Aprender - Unhas - Durante e Depois

E você pode usar com ou sem esmaltes, a textura dele é em creme, mas não fica com aquele aspecto escorregadio, pelo contrário seca rápido. Uso com frequência há aproximadamente umas três semanas e comecei a ver o resultado há uma semana. Ah e tem um detalhe não adianta usar somente quando se vai fazer as unhas ou quando quiser, pelo menos uma vez no dia por 5 minutinhos tenho certeza que vocês verão os resultados, eu uso uma vez no dia e estou amando e o melhor não preciso fazer as unhas direto.

Vocês já conheciam esse produtinho? O que acharam?
Até a próxima, beijos!

21 maio 2015

Reflexão: A triste geração que virou escrava da própria carreira

Olá amores, como vai? Eu vou bem, graças a Deus! Vocês perceberam que eu andei meio sumida por aqui não é? Aconteceram tantas coisas boas e ruins, mas o importante é que consegui resolver as coisas e agora que tenho tempo para colocar as coisas em ordem, decidi tirar um tempinho para me organizar e voltar a trazer muito mais conteúdos para vocês! Já estou com vários posts prontos, tem resenhas de produtos de beleza, resenhas de livros, receitas, DIY (Faça Você mesmo), dicas para blogueiros e muito mais.

Vocês já conferiram o meu novo site, que se chama Portal mulher de Atitude? Lá tem várias dicas para todas as mulheres. Confira alguns posts, para ler é só clicar nas imagens e conferir!

Saiba quais são os chás proibidos e permitidos durante a gravidez - Portal Mulher de Atitude

Confira a lista dos mais de 60 países que os brasileiros não precisam de visto para entrar - Portal Mulher de Atitude


Lançamento O Boticário: Coleção Intense Circus - Portal Mulher de Atitude


Hoje vou deixar para vocês um texto para reflexão que um amigo compartilhou no facebook que eu amei (ah se quiser me adicionar fique a vontade, é só clicar aqui). Amanhã tem resenha de um produtinho para as unhas não deixem conferir hein. Agora fiquem com a reflexão:

“A triste geração que virou escrava da própria carreira” 

Reflexão: A triste geração que virou escrava da própria carreira - Blog Viver e Aprender

E a juventude vai escoando entre os dedos.

Era uma vez uma geração que se achava muito livre.
Tinha pena dos avós, que casaram cedo e nunca viajaram para a Europa.
Tinha pena dos pais, que tiveram que camelar em empreguinhos ingratos e suar muitas camisas para pagar o aluguel, a escola e as viagens em família para pousadas no interior.
Tinha pena de todos os que não falavam inglês fluentemente.

Era uma vez uma geração que crescia quase bilíngue. Depois vinham noções de francês, italiano, espanhol, alemão, mandarim.
Frequentou as melhores escolas.
Entrou nas melhores faculdades.
Passou no processo seletivo dos melhores estágios.
Foram efetivados. Ficaram orgulhosos, com razão.
E veio pós, especialização, mestrado, MBA. Os diplomas foram subindo pelas paredes.

Era uma vez uma geração que aos 20 ganhava o que não precisava. Aos 25 ganhava o que os pais ganharam aos 45. Aos 30 ganhava o que os pais ganharam na vida toda. Aos 35 ganhava o que os pais nunca sonharam ganhar.
Ninguém podia os deter. A experiência crescia diariamente, a carreira era meteórica, a conta bancária estava cada dia mais bonita.

O problema era que o auge estava cada vez mais longe. A meta estava cada vez mais distante. Algo como o burro que persegue a cenoura ou o cão que corre atrás do próprio rabo.
O problema era uma nebulosa na qual já não se podia distinguir o que era meta, o que era sonho, o que era gana, o que era ambição, o que era ganância, o que necessário e o que era vício.

O dinheiro que estava na conta dava para muitas viagens. Dava para visitar aquele amigo querido que estava em Barcelona. Dava para realizar o sonho de conhecer a Tailândia. Dava para voar bem alto.
Mas, sabe como é, né? Prioridades. Acabavam sempre ficando ao invés de sempre ir.

Essa geração tentava se convencer de que podia comprar saúde em caixinhas. Chegava a acreditar que uma hora de corrida podia mesmo compensar todo o dano que fazia diariamente ao próprio corpo.
Aos 20: ibuprofeno. Aos 25: omeprazol. Aos 30: rivotril. Aos 35: stent.

Uma estranha geração que tomava café para ficar acordada e comprimidos para dormir.
Oscilavam entre o sim e o não. Você dá conta? Sim. Cumpre o prazo? Sim. Chega mais cedo? Sim. Sai mais tarde? Sim. Quer se destacar na equipe? Sim.
Mas para a vida, costumava ser não:

Aos 20 eles não conseguiram estudar para as provas da faculdade porque o estágio demandava muito.
Aos 25 eles não foram morar fora porque havia uma perspectiva muito boa de promoção na empresa.
Aos 30 eles não foram no aniversário de um velho amigo porque ficaram até as 2 da manhã no escritório.
Aos 35 eles não viram o filho andar pela primeira vez. Quando chegavam, ele já tinha dormido, quando saíam ele não tinha acordado.

Às vezes, choravam no carro e, descuidadamente começavam a se perguntar se a vida dos pais e dos avós tinha sido mesmo tão ruim como parecia.
Por um instante, chegavam a pensar que talvez uma casinha pequena, um carro popular dividido entre o casal e férias em um hotel fazenda pudessem fazer algum sentido.
Mas não dava mais tempo. Já eram escravos do câmbio automático, do vinho francês, dos resorts, das imagens, das expectativas da empresa, dos olhares curiosos dos “amigos”.

Era uma vez uma geração que se achava muito livre. Afinal tinha conhecimento, tinha poder, tinha os melhores cargos, tinha dinheiro.
Só não tinha controle do próprio tempo.
Só não via que os dias estavam passando.

Só não percebia que a juventude estava escoando entre os dedos e que os bônus do final do ano não comprariam os anos de volta.

Ruth Manus

Gostaram da reflexão? Não deixe de compartilhar com seus amigos e também irei amar saber o que você achou, é só deixar nos comentários! Até amanhã, beijos!

09 maio 2015

Reflexão: Convite

Depois de 21 anos de casado, descobri uma nova maneira de manter viva a chama do amor. Há pouco tempo decidi sair com outra mulher. Na realidade foi ideia da minha esposa. Você sabe que a ama - disse-me minha esposa  um dia, pegando-me de surpresa. A vida é muito curta, você deve dedicar especial tempo a essa mulher... Mas, eu te amo , protestei à minha mulher. Eu sei, mas você também a ama. Tenho certeza disto. A outra mulher, a quem minha esposa queria que eu visitasse, era minha mãe, que era já viúva há 19 anos, mas as exigências do meu trabalho e de meus 3 filhos, faziam com que eu a visitasse ocasionalmente. Essa noite a convidei para jantar e ir ao cinema.

O que é que você tem? Você está bem? ... perguntou-me ela, após o convite.
Minha mãe é o tipo de mulher que acredita que uma chamada tarde da noite, ou um convite surpresa é indício de más notícias.
Pensei que seria agradável passar algum tempo contigo disse-lhe, só nós dois, o que acha?
Ela refletiu por um momento. Me agradaria muitíssimo disse-me sorrindo.

Depois de alguns dias, estava dirigindo para pegá-la depois do trabalho, estava um tanto nervoso, era o nervosismo que antecede a um primeiro encontro e, que coisa interessante, pude notar que ela também estava muito emocionada. Me esperava na porta com seu casaco, havia feito um penteado e usava o vestido com que celebrou seu último aniversário de bodas. Seu rosto sorria e irradiava luz como um anjo.

"Eu disse para minhas amigas que ia sair com você, e ficaram muito impressionadas", comentou enquanto subia no carro.
"Elas nem podem esperar para escutar a respeito de nosso passeio. Me aguardam amanhã"

Fomos a um restaurante não muito elegante, mas aconchegante. Minha mãe segurou no meu braço como se fosse "a primeira dama". Quando nos sentamos, tive que ler para ela o menu. Seus olhos só enxergavam grandes figuras. Quando estava pela metade das entradas, levantei os olhos e notei que mamãe, que estava sentada do outro lado da mesa, me olhava fixamente. Um sorriso nostálgico se delineava nos seus lábios.

Era eu quem lia o menu quando você era pequeno - disse-me.
Então é hora de relaxar e me permitir devolver o favor - respondi.
Durante o jantar tivemos uma agradável conversa; nada extraordinário, só colocando em dia a vida um para o outro. Falamos tanto que perdemos o horário do cinema. Sairei contigo outra vez, mas só se me deixares fazer o convite, disse minha mãe quando a levei para casa. Concordei.

Como foi teu encontro quis saber minha esposa quando cheguei aquela noite. Muito agradável ... muito mais do que imaginei... Dias mais tarde minha mãe faleceu de um enfarte fulminante, tudo foi tão rápido, não pude fazer nada. Depois de algum tempo recebi um envelope com cópia de um cheque do restaurante de onde havíamos jantado minha mãe e eu e uma nota que dizia:
"O jantar que prometi paguei antecipado, estava quase certa de que poderia não estar ali, por isso paguei um jantar para ti e para tua esposa. Jamais poderás entender o que aquela noite significou para mim. Te amo".



Nesse momento compreendi a importância de dizer a tempo: "TE AMO" e de dar a nossos pais o espaço que merecem, principalmente sendo mais tolerantes, pois a idade já chegou para eles como chegará para nós e, acima de tudo, respeitando-os sempre.  Dedique tempo a eles, porque eles não podem esperar.

*Desconheço o autor